×

Turismo de conhecimento: lazer e história pelas cidades do Circuito das Águas

Turismo de conhecimento: lazer e história pelas cidades do Circuito das Águas

“Turistar” pode ser um verbo que se conjuga para muito além da diversão. “Turistar” pode ser um verbo que se conjuga com conhecer, expandir e aprender. Uma viagem é sempre uma experiência que soma e que faz multiplicar não só paisagens, mas também pontos de vistas. Uma viagem é sempre uma oportunidade de dividir momentos com a família e, até para quem viaja a negócios, uma viagem é uma porta aberta ao lazer e às descobertas entre um compromisso e outro.

No Circuito das Águas Paulista – pelas nove cidades que o compõem – há uma riqueza histórica contada pelas paredes de suas construções que agregam conhecimento, que resgatam o passado ainda vivo e que convidam para novas perspectivas. Pensando em explorar o turismo de conhecimento por Jaguariúna e pela região, sem deixar de lado o lazer, preparamos este artigo com dicas de lugares que unem, em harmonia, entretenimento e história. Vamos lá?

Jaguariúna: trilhos históricos

A Maria Fumaça é cartão postal da cidade. Uma atração que  faz uma viagem pelas fazendas e casarões da região e que desperta também uma viagem interna e nostálgica. É bem-vinda para todas as idades, pois seus trilhos caminham para o passado, mostrando e explicando o presente. Vale viver esse momento em família e aprender e relembrar juntos.

Depois do passeio de trem, a viagem pelos trilhos pode continuar no Museu Ferroviário “Deusdolar Ferreira Gomes”, localizado no Centro Cultural, que fica na Estação da Maria Fumaça. Restaurado recentemente, o espaço guarda artigos e peças do acervo histórico da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária – ABPF. A entrada é gratuita e o Museu funciona nos de quarta a domingo, das 8h às 17h.

Jaguariúna tem ainda a única igreja em estilo Gótico da região, a Centenária Igreja de Santa Maria. Outro local histórico é a Fazenda da Barra, aberta à visitação pública. Considerada patrimônio histórico do município, a propriedade do século XIX, produtora de café e cana açúcar, passou por um grande processo de restauração e hoje conta a história ao longo de seus 20 cômodos, prédios anexos e instalações. Mais informações sobre o local, acesse o site da Prefeitura de Jaguariúna.

Amparo: a história passa pelas ruas

O visitante que anda pelas ruas da cidade de Amparo pode viver a experiência de estar em uma produção de época. Como um museu a céu aberto, Amparo tem 558 prédios listados e 50 imóveis tombados em estilos arquitetônicos que vão do Neoclássico, passam pelo Gótico, até o Art Nouveau. É possível viajar no tempo ao olhar essas construções e imaginar os fatos marcantes e históricos que aconteceram ali.

A Rua XV de Novembro, uma das principais, era o endereço de importantes formadores de opinião, como monarquistas, abolicionistas, republicanos e comunistas. Até hoje as casas estão preservadas e são pontos turísticos. Além da história ainda viva que pode ser vista pelas ruas do Centro, Amparo tem o Museu Bernardino de Campos, considerado um dos mais completos da região. O acervo do espaço, com cerca de 19 mil artigos, acomodados em 11 salas, conta com peças da época da escravidão, mobiliário, veículos e itens usados na Revolução Constitucionalista de 1932.


Socorro: aventura no presente e no passado

Famosa por seus roteiros de aventura e atrações radicais, Socorro também guarda muito bem sua história. Na cidade, passado e presente caminham de mãos dadas. A imigração italiana e portuguesa estabeleceu forte influência na arquitetura local, com estilos Colonial, Neoclássica e Eclética. São 12 prédios históricos tombados e mais de 100 listados nas redondezas da cidade.


Monte Alegre do Sul: uma preciosidade em tamanho mini

Ela é a menor do Circuito das Águas, mas não se engane. Seu tamanho não é relativo à sua história e à sua cultura. Monte Alegre do Sul é grande em sua riqueza histórica, em sua natureza simples e sua beleza bucólica. As casas no entorno da praça principal foram construídas pelas técnicas de taipa de mão e taipa de pilão e são mantidas com o aspecto original até hoje.

O Santuário do Senhor do Bom Jesus foi construído com inspiração na arquitetura da Igreja Renascentista Il Gesu, em Roma. Pelas visitas às antigas fazendas de café que rodeiam a cidade, é possível conhecer um pouco da época da cultura do café por meio dos terreiros, tulhas, senzalas, casas de colonos e mobiliários de época.

E aí, pronto para explorar o Circuito das Águas de um jeito diferente? Cultura, conhecimento e história nunca saem de moda e são sempre bem-vindos! Faça seu roteiro de viagem e conte com o conforto e as comodidades do Jaguary para se hospedar bem!